Religiosidade estúpida

Em “Para curar um mundo fraturado” (Séfer), o Rabino Jonathan Sacks conta algo assim:

“Os chassidim contam uma história sobre o segundo Rebe de Lubavitch (o “Mitteler” Rebe). Certa vez, ele estava tão concentrado em seus estudos que não escutou seu filho pequeno chorar. Mas o avô (Rebe Shneur Zalman de Liadi) ouviu, desceu as escadas, pegou o bebê no colo e ninou-o até que voltasse a dormir. Aproximou-se então de seu filho, ainda imerso nos livros, e disse: ‘Meu filho, não sei o que você está estudando, mas se o deixa surdo ao choro de uma criança, não é a Torá’. Viver a vida da religiosidade é ouvir o lamento silente dos aflitos, solitários, marginalizados, pobres, doentes, impotentes – e responder.”

%d blogueiros gostam disto: