Os 5 álbuns que mais ouvi em 2011

É óbvio que qualquer tentativa de elencar álbuns e/ou artistas não agradará mais que 2 ou 3 pessoas, mas listas são assim, injustas.

1. “21” – Adele

É incrível como muitas pessoas a trataram como se fosse uma novidade, entretanto quem se liga em música, sabe desde de “19” (2008) que Adele não é apenas um produto. Legal mesmo é ouvir “Someone Like You” ser tocada nas rádios “pop/rock” com aquela introdução feita somente no piano. Por isso, apesar de clichê, “21” de Adele tinha que estar na lista.

2. “Tudo que é bonito de viver” – Jorge Camargo

Um álbum muito bem produzido, com letras altamente carregada de conteúdo bíblico sem necessariamente ser literal, talvez resida aí a beleza da obra deste artista brasileiro que não deve nada aos grandes nomes da MPB. Em agosto deste ano já falava dele aqui no blog. Entre no site do artista e saiba mais sobre sua obra.

3. “Mylo Xyloto” – Coldplay

Mesmo tendo sido lançado em outubro, algumas músicas, que haviam “caído” (taí um termo horrível, mas na falta de uma palavra melhor, humpf!) na internet, puderam ser ouvidas antes. Não acreditava que eles conseguiriam superar o “Viva la vida”, mas eis que Mylo Xyloto é tão cheio de músicas que grudam no ouvido que não tem como deixá-los de fora. Alguém explica como é que eles só conseguem fazer tantos “hits”?!? E o que foi a apresentação dos caras no Rock in Rio!?!

4. “A beleza do Rei” Stênio Marcius

Perdi a conta de quantas vezes ouvi a canção “Canta assim mesmo” indo trabalhar num devocional que envolvia caminhada, oração e canto. Já havia publicado sobre ele aqui. Enquanto muitos artistas cristãs tentam fazer parte de um “mainstream” dual, Stênio mantém sua obra intacta, sem ceder à tentação de fazer “música pra tocar na igreja” (muito embora isso só seja um conceito, afinal suas músicas são sim catadas em igrejas, muito poucas, mas são).

5. “Mais um dia” – Livres

O termo que utilizei anteriormente (“música pra cantar na igreja) poderia muito bem ser aplicado à este muito bem produzido álbum. O problema (sarcasmo ON) é que as letras são reflexivas e com teor bíblico acentuado, por isso, infelizmente não são músicas que entrarão fácil no repertório de uma equipe de louvor. Juliano e seu ministério “Livres” podem ser considerados referência para quem gosta de boa música atrelada à Mensagem.

Menções honrosas

Não poderia deixar de mencionar o ótimo álbum do United “Aftermath”, muito menos o especialíssimo “Ghosts Upon the Earth” do Gungor, além do ótimo John Mark McMillan em “Economy” e Bryan and Katie Torwalt com o excelente “Here On Earth”. Isso sem falar no “Chão” de Lenine (impresionante a não utilização de baterias), “Elo” de Maria Rita e tantos outros que por não virem à minha mente agora e (só por isso) não estarão nesta lista.

ATENÇÃO ao título deste post antes de #mimimi

Anúncios

Tudo que é bonito de viver

Jorge Camargo não precisa de sua biografia resumida neste post. Qualquer apreciador de boa música reconhece sua qualidade artística e sua contribuição à música brasileira. Portanto, me atenho aqui ao “Tudo que é bonito de viver”, seu mais recente álbum. Outras informações você pode encontrar no site do artista www.jorgecamargo.com.br/. Abaixo compartilho os vídeos de 4 canções desta obra com depoimentos de Camargo sobre suas criações.




Canta assim mesmo

Canta assim mesmo

Stênio Marcius

Se não tem quem ouça, canta assim mesmo
Pássaro sozinho lá na floresta
Canta e vai tentando assim afastar os males do seu peito
Fazer o seu dia um pouco melhor

Sei que é triste às vezes cantar sozinho
Quando o que se quer é gritar ao mundo
Gratidão que traz o peito, a sina dessa melodia
Louvação ao deus, o seu criador

Canta que o vento sopra mais leves
Que as folhas brilham mais verdes
Que o rio corre mais sábio
Canta que um anjo abre um sorriso
E o céu azul, comovido
Se esconde em nuvens e faz chover

Canta que, embora breve esse canto
Pois teu ar é curto e ligeiro
Mas, o sentimento, infinito
Canta que teu deus escuta, sereno
E ao cantador, tão pequeno
Se revelam muitas grandezas

Se não tem quem ouça, canta assim mesmo
Cada um tem seu trabalho e missão
Canta cada vez mais lindo, até o último suspiro
Doce é morrer de tanto cantar

Essa música faz parte do álbum “Beleza do Rei” do Stenio Marcius. Juntamente com “Tudo que É Bonito de Viver” de Jorge Camargo, os melhores discos de MPB deste ano. Sei que o rótulo é ruim demais para classificar estas obras, mas me foge outro recurso.
Além disso, esta música serviu de soundtrack para um fim de tarde terrível nesta data.

Stenio Marcius – @steniomarcius

Jorge Camargo – http://www.jorgecamargo.com.br/

%d blogueiros gostam disto: