7 Dicas para manipular uma Igreja

Pode até parecer hilário, mas essas dicas são uma coletânea de várias presepadas gospel que já presenciei de perto, ao vivo e a cores, nesses anos em que tenho me dedicado ao Evangelho.Para vice-deuses, pai-póstolos, mãe-póstolas, apóstolos, bispos, pastores, presbíteros e todos os interessados em ter um culto e uma comunidade atraente, que se renda aos seus pés sem questionamentos nem argumentações.

Porque me limitei em 7? O 7 é um número profético, o número da perfeição e dá sorte. He!He!

1ª Contrate cantores gospel que mexam com as emoções. Não se importe se o cachê for o olho da cara, o importante é tocar no mais profundo dos sentimentos e fazer o povo chorar, rir, gritar, andar de quatro na unção do leão, do cachorro, do macaco, etc. O povo gosta de dinamismo, e se não tiver “baderna” santa que traga diversão, você vai ser chamado de caretão!

2ª Seja um “Expert” em invenções sobrenaturais. Aprenda urgentemente a elaborar “Profecias, Revelações, Visões, Línguas Estranhas, Unções do Paletó e do Sopro Divino”, e demais peculiaridades do gênero. Isso é tiro e queda. Não se esqueça que quando estiver operando esses “dons”, tem de passar credibilidade, e para isso, chore, faça cara de contrito, dê alguns pulinhos, e se possível, arrisque até salto mortal ou golpes de Jiu-Jitsu evangélico. AH! E o mais importante: Diga em alto e bom tom: “ASSIM DIZ O SENHOR!

3ª Quando for pregar, seja astucioso. Use texto fora do contexto com pretexto, porque assim você consegue colocar cabresto. Seja fanfarrão mesmo, de carteirinha. Por exemplo: Se você gosta que as pessoas reajam as suas pregações, use o texto de Atos 12:21-23 e diga que quem não berrar glória à Deus nem aleluia, vai morrer sendo comido de bicho como foi Herodes. Para que seus asseclas não se aprofundem nas escrituras e descubram sua superficialidade, use o texto de 2ª Coríntios 3:6 e diga sistematicamente que a letra “mata”, mas o Espírito vivifica. Se você é do tipo que não gosta de modernismos na indumentária nem na aparência dos seus súditos, sugiro que sublinhe em sua Bíblia textos como: Levítico 19:27, 1ª Pedro 3:3 e Eclesiastes 1:2. Esses são os melhores para você fazer uma lavagem cerebral e dizer que não pode cortar cabelo, usar jóias, passar maquiagen, jogar futebol, pois afinal, “tudo é vaidade”!

4ª Promova campanhas de prosperidade diariamente. Se você quiser, existem até empreendedores evangélicos que vendem “KITS CAMPANHA” pronta entrega, com pontos de contato inclusos como: (cruzinha, rosinha, estacazinha, sabonetinho, perfuminho, etcétarazinha) é show! Na Segunda faça a corrente da empresa própria, terça da fazenda própria, quarta da casa própria, quinta do jatinho próprio, sexta do iate próprio, sábado da ferrari própria, e no domingo, pra torcer o braço de Deus sem dar chance à Ele de dizer não, oriente-os a fazer o sacrifício pessoal, dar o tudo deles (o leite da criança, a passagem do ônibus, até as calças se necessário) exigindo seus direitos. Ah! Sua igreja vai ficar lotada todos os dias de crente centrado em si mesmo, de consumistas selvagens em nome de gezuis!

5 ª Seja frenético, especialize-se em ato profético. Junte um pessoal e bata 4 estacas nas 4 extremidades de sua cidade e leve seu povo a bradar: “Essa cidade pertence ao Rei Jesus”, 21 semanas sem falhar. Você vai motivá-los a orar pela cidade. Faça o cerco de Jericó em volta de sua Igreja e dê sete voltas com a turba clamando: “As muralhas vão cair”, você notará a diferença no evangelismo, pois eles derrubarão as portas das casas se preciso for para falar de Jesus. Se sua região tem influências demoníacas, alugue (para aqueles que não pertencem ao ministério do “MALACHEIA” nem do “NABUCOTERRANOVA” e não podem comprar) um helicóptero ou um teco-teco, arregimente sete apóstolos vestidos de branco (se não tiver os dito cujos pode baixar o nível e usar até os diáconos da Igreja se preciso for), mas não se esqueça de levar um barril de azeite de Israel e orientá-los a lambrecar a cidade do alto gritando: “Sai Exu Boiadeiro em nome de gezuis”. Vai ser sucesso absoluto, renderá até primeira página de Jornal, e você se tornará o herói deles!

6ª Seja um difusor do cristianismo judaizante. Do evangelho meia boca. Nem lá nem cá. Um pé no velho e um no novo testamento. Objetos como: candelabro, arca da aliança, bandeira de Israel, são indispensáveis para a decoração do seu templo/tabernáculo hebraico. Convide ativistas do hebraísmo que flertam com o cristianismo, para serem preletores em dias de festa. Eles carregam consigo um ar de espiritualidade diferenciada. Se você precisar eu conheço um que vem a caráter. O cabra é “bão” e tem a unção do “Pedala Robinho”, derruba gente de montão. A tira-colo vem um outro com Shofar, e a hora que o menino sopra o instrumento, é um “xororô” danado. É sapato de fogo, aviãozinho, unção da lagartixa, o frenesi come solto, e o povo é estuprado psicologicamente pedindo: “Eu quero é mais!”. Se pelo menos uma vez por ano você trouxer um desses ao seu aprisco, o povo será “RÉ-NOVADO”, e você ganha a confiança de todos com a credencial de “Pastor Espiritual”.

7ª Matricule-se em um curso de artes cênicas. Faça do altar um palco, do templo um circo, do povo uma platéia passiva. Aqui não existe nada fixo. Alterne os papéis. Se preferir pode fazer o gênero “Dramalhão”, que está sempre na provação. Tens a opção também junto a ala feminina do “Brad Gospel”, aquele que conquista só no olhar (é claro, se não fores o rascunho do mapa!). Existirão dias em que você poderá encarnar o velho e saudoso “BOZO”, e fazer a galera se borrar de rir. Experimente também o “David Copperfield”, invente e faça desaparecer tumores malígnos que nunca existiram. Está bem na moda também o “Dr. Hollywood”, lipoaspiração pentecostal. Ou uma última sugestão: “O ghostbuster”, faça campanhas do descarrego, corredor do sal, contrate alguns endemoninhados profissionais, e coloque os “bicho” de ponta cabeça pra igreja ver o quanto você é fera! Eles irão temê-lo e reverenciá-lo!

Depois de seguir essas 7 dicas, você está apto e credenciado a “Déspota Espiritual”. Parabéns!

Mas não se esqueça que também ouvirá: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi, abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade” Mateus cap. 7 vs 21 ao 23.

Autor: Franklin Rosa

O efeito libertador da arte

Recentemente num seminário de música ouvi do palestrante que músicos cristãos devem se afastar de músicas que não condizem com os valores do Cristianismo. Nada mais castrador do que observar o incentivo à categorização de toda cultura como algo cristão ou não-cristão, espiritual ou carnal. Inquieto, procurava ficar confortável naquelas cadeiras horríveis. O que mais me incomodava, na verdade, não era a pequenez do pensamento daquele homem, mas as cabeças que balançavam concordando com o que estava sendo dito, e eram muitas.

Não me interessa se Caetano Veloso participa de cultos afro. Muito menos se o Renato Russo era homossexual e que eu saiba, a Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Nando Reis não professam a mesma fé que eu, muito menos suas composições. Concordo com Hans Rookmaaker, historiador de arte holandês, devemos observar as obras de forma individual. Diante de uma obra, não me pergunto: este artista é ateu? Pelo contrário, meu espírito se volta para as qualidades que aquela tela ou composição despertam em mim sentidos.

Quando da minha formação musical, não encontrava nos artistas cristãos a qualidade que observava nos músicos do dito segmento secular. Porém, aos oito anos ganhei um songbook do Tom Jobim e o impacto que aquele livro sobre mim teve efeitos devastadores: desconstruiu meu olhar para a cultura além dos nichos freqüentados por minha família. Talvez a reverência aos xamãs da música como Bob Dylan, John Lennon e Paul MacCartney, entre outros, possa ser discutida, entretanto o abando ao rigor da interpretação da arte nivelando-a pelos valores religiosos é necessário para alcançarmos a compreensão de uma poesia concreta, do cinema sueco, de um romance do Saramago ou uma tela do expressionismo.

As experiências sensitivas, auditivas ou místicas, ocorridas nos shows do Coldplay ou Los Hermanos contribuem para o diálogo acerca da sensibilidade presente nas obras que não estão presas à religião. Particularmente, chorei num show do Djvan, cantei a plenos pulmões em uma apresentação de Zélia Duncan e me comovo toda vez que leio uma poesia de Manoel de Barros. Lembro com bastante saudade de uma vez em que um amigo meu leu a “Oração de São Francisco de Assis” numa reunião de evangélicos. Além dos murmúrios sem fim, ele teve que dar explicações para um sem número de retrógrados presentes no mesmo espaço. Sua resposta ficou gravada em mim: Quem disse que Deus não está rindo de toda esta discussão???

Voltemos ao seminário de música. Levantei-me, tomei uma água e pedi a Deus que aquela tortura chegasse ao fim. Acredito, porém que ele estava rindo de toda aquela besteira. Tolice humana, razão das piadas no céu.

Para ouvir, se quiser…

Marcos Almeida (lead vocal “PalavrAntiga”) em Rookmaarker

%d blogueiros gostam disto: