Hábitos alimentares de um estudante universitário

Se você é ou será um estudante universitário saiba de uma coisa: sua alimentação vai piorar e muito. Mesmo aqueles que tem por hábito consumir alimentos saudáveis não resistirão aos encantos dos lanches, refrigerantes e afins, que se apresentam para o consumo de uma população universitária como horários apertados, incapazes de controlar uma agenda apertada: trabalho, estágio, trabalhos de conclusão, estágio, atividades complementares. Há uns poucos valentes que se aventuram na conservação de levar para a faculdade frutas e barrinhas de cereais, porém, em sua grande maioria, os estudantes precisam de alimentos com alto teor calórico (existe explicação científica para isso) o que demonstra as alterações do estilo de vida e refletem automaticamente em seus hábitos alimentares.

Impossível encontrar uma barraquinha em torno da universidade que venda frutas ou lanches naturais, suco. Arroz, feijão e carne, self-service, nem pensar. São aqueles trailers de cachorro quente, batata-frita e yakisoba que nos ajudam a apagar de nossos cérebros a preocupação com a saúde e qualidade de vida. De acordo com Claudia Moreira Borges, em sua dissertação a respeito do tema, a ingestão da alimentação saudável está intimamente ligada com “[…] indicadores de proximidade em relação à família, colegas e escola, bem como a uma percepção de bem estar pessoal e social”. Sendo assim, meu círculo social é inacreditavelmente disfuncional: somos consumidores de salgadinhos, frituras em geral e muito, muito refrigerante.

Há, mesmo que não se admita isso, uma preocupação com o que virá depois de 4 ou mais anos dentro do ambiente acadêmico. E não estou abordando as implicações de carreira, mercado de trabalho e sim, problemas oriundos da má alimentação. Gosto do conceito americano “junk food” (uma expressão pejorativa para alimentos com alto teor calórico, mas com níveis reduzidos de nutrientes) para rotular as porcarias que como e mesmo tendo  assistido ao documentário “Super Size Me” de Morgan Spurlock, um cineasta independente dos Estados Unidos da América, não pretendo abandonar essa dinâmica alimentar.  Compreendo que hábitos não são fáceis programações, demandam tempo, energia e uma dose de boa vontade. Enxergo o problema, mas tenho coisa demais pra resolver….deixa pr’a depois! #Fail

Anúncios

4 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Rodrigo
    fev 12, 2011 @ 14:16:52

    junte um pouco de stress, correria do dia a dia, falta de tempo, e muito lanche de rua (hot dog, pastel, pizza, coxinha, lanches do mcdonald’s, refri …) você nao tera apenas uma mâ alimentação, mas sim um belo sobre peso, e quem sabe um infarte fuminante….
    belo post melan….

    Rodrigo.

    Responder

  2. Trackback: Saúde, Nutrição e Prevenção – parte 1 | novasinapse.com
  3. clediane florêncio
    ago 06, 2011 @ 22:21:56

    Esses tipos de cometarios sao sempre observados para os calouros mais se eles tiverem um pouco de conciencia nada dá erado basta uma frutinha e bastante liquido que ficar tudo bem.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: